ljubovnyj goroskop na 2017 god zmeja vesy zhenschina ssylka na stranitsu goroskop sovmestimosti zhenschina strelets i muzhchina rak sovmestimost' goroskop zmeja vodolej muzhchina sovmestimost' ljubovnyj
XX Congresso do PCP - Intervenção da DORC do PCP
06-Dez-2016

Intervenção de Hermínio Martins, Membro do Secretariado da Direcção da Organização Regional de Coimbra do PCP, XX Congresso do PCP

Organização Regional de Coimbra

20161202_xx_congresso_herminio_martins.jpg

 

Camaradas,

Os comunistas no distrito de Coimbra travam a sua acção perante uma aguda luta de classes, com empenho, persistência e confiança nas empresas, locais de trabalho e de residência, sectores de actividade, junto da classe operária, trabalhadores, agricultores, juventude, mulheres, reformados, pequenos e médios empresários. Luta que exige reforço e rejuvenescimento do Partido com recrutamento de novos militantes e sua integração na actividade.

Salienta-se o caso da Soporcel, na Figueira da Foz, onde, após uma luta tenaz em defesa do Fundo de Pensões, vários trabalhadores que nela se destacaram sindicalizaram-se, aderiram ao Partido, tornaram possível a formação de uma célula, que hoje representa um poderoso instrumento que os trabalhadores utilizam na defesa dos seus direitos e interesses.

Outros passos têm sido dados noutras empresas e sectores, como Dan Cake, Fapricela, Mahle, Sector dos Transportes, Cerâmicos, CTT, Serviços Municipalizados de Transportes de Coimbra.

No Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, após uma intervenção do Partido, mais de 100 trabalhadores viram os salários actualizados, quando estavam a ser pagos, escandalosamente, abaixo do salário mínimo nacional.

No Hospital Rovisco Pais denunciando a existência de cerca de 50% dos trabalhadores com vínculo precário, exigindo a sua contratação efectiva; contra a privatização do Hospital de Cantanhede; pela defesa do Hospital dos Covões e funcionamento das suas Urgências 24 horas por dia; pela defesa dos oito hospitais de Coimbra e reversão da sua fusão, promovendo Sessões Públicas a favor do SNS e contra esta fusão, decidida por um governo do PS e implementada pelo governo PSD/CDS representando o maior ataque de sempre ao SNS, no distrito.

Ainda na Saúde, de referir as lutas em defesa dos Centros de Saúde da Adémia, S. João do Campo e de Figueiró do Campo.

Na área da habitação, o Partido, em articulação com o Pelouro da CDU na Câmara de Coimbra, tem uma acção de relevo junto da população dos Bairros Sociais, encontra soluções para os seus problemas e informa-a regularmente.


 

Nos transportes públicos o Partido continua a exigir a reposição da circulação dos Ramais da Lousã e da Pampilhosa-Figueira da Foz com a modernização e electrificação das linhas, encerradas pelos governos do PS e PSD/CDS; defesa da linha do Oeste com garantia de transporte de passageiros até à Figueira da Foz; transportes públicos para todas as freguesias de Coimbra defendendo os SMTUC públicos e com financiamento do OE.

Os Comunistas no distrito de Coimbra lutam pela conclusão da obra hidroagrícola do Baixo Mondego, que se arrasta há décadas, sem fim à vista, nas áreas dos rios Ega, Anços e Pranto, bem como pela defesa dos Baldios geridos pelos compartes, dos produtores de leite e de arroz, esmagados por preços baixos à produção e contra importações massivas das grandes superfícies.

No Ensino, após o Processo de Bolonha, a alteração do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, trouxe novo ataque à Universidade Pública de Coimbra, com intenção de a passar a Fundação de direito privado, passo de gigante para a privatização e maior elitização do Ensino e perda de direitos dos trabalhadores.

Na cultura, lutam contra a pauperização imposta pelo PSD/CDS que levou a cortes na produção, a despedimentos e mais precariedade, a dificuldades impostas aos museus e Património, cuja situação não se inverterá com a nova redução orçamental em 2017 para a Direcção Regional da Cultura do Cento nem com a inclusão do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova na famigerada lista do programa REVIVE. Foi intensa e permanece justa a luta por 1% do OE para a cultura!

A Comunicação Social em Coimbra é outra frente de luta. Controlada e manipulada pelos grupos económicos condiciona política, ideológica e culturalmente, não respeita o pluralismo, assume-se como um perigoso instrumento para a democracia. Um dos jornais diários tem uma linha editorial declaradamente anticomunista!

Outras acções foram realizadas no distrito, sendo disso exemplo a luta pela água pública, contra a exploração do caulino em Soure...

Os comunistas no distrito de Coimbra lutam pela alteração da correlação de forças que permita a implementação de uma política alternativa, patriótica e de esquerda.