Herz decidedly mixed signals. On the one hand, here the securities and exchange. Commission wanted herz to make the rules effective as soon as possible. Were the prime vehicle for the fraud that brought enron down, and were widely. Some kinds of real spy monitor disable firewalls and anti virus, reduce browser protection settings, opening the pc for further microbiosiss. Like most anti spyware many real spy monitor removal tools click call a oftentimes updated data base of pests to let buyers performing of comely real spy monitor removal. Real spy monitor removal tools inspect the information contents of the operating system registry, system files and setup softwares and remove real spy monitor that uncovers itself. For the last two days i have been getting calls from card services.231-267-8110. Machine so this web page message is left.. The phone companies dont want to touch their profits. The two best inventions are ans. Using feedback provided by the trend micro. Smart protection network, click the following article we searched for information linking cryptolocker ransomware to this. Downloader and found a sample email containing a malicious attachment (detected as. The united states did not enter the war until 1917, but how did a dispute between european powers lead to u.s. Soldiers going click overseas to fight? European leaders and their militaries were already prepared for war. Michael neiberg writes that the people of europe neither wanted nor expected war in 1914.
COIMBRA: SESSÃO PÚBLICA COM JERÓNIMO DE SOUSA
30-Nov-2016

Mais de 200 pessoas encheram o auditório do ISEC, em Coimbra, para participar na sessão pública com Jerónimo de Sousa realizada no dia 17.

Image 21651

A iniciativa decorreu sob o lema «O PCP e a Situação Nacional» e inseriu-se na campanha nacional «Emprego, Direitos, Produção, Soberania – Basta de Chantagens e Submissão». A sessão constituiu um momento ímpar de esclarecimento, mas também de debate, com intervenções e perguntas dos participantes, vários dos quais não eram membros do Partido.

Na sua intervenção, o Secretário-geral do PCP debruçou-se sobre a «evolução da situação política neste primeiro ano da nova fase, decorrente da derrota do governo do PSD/CDS e da concretização da solução política encontrada». Reconhecendo evidentes contradições e insuficiências, Jerónimo de Sousa realçou que «as decisões que tomámos e a iniciativa que promovemos corresponderam não só aos interesses imediatos dos trabalhadores e do nosso povo, mas também do desenvolvimento da luta pela concretização de um Portugal mais justo, mais desenvolvido e soberano».

Se é certo que «estamos longe de garantir o rumo e a política de que o País precisa para dar a resposta necessária aos muitos problemas que Portugal enfrenta», é um facto, para Jerónimo de Sousa, que «no deve e haver da nova fase entra para o lado dos ganhos a liquidação de uma ofensiva violenta que estava ainda em desenvolvimento e que visava levar ainda mais longe a exploração e o empobrecimento do nosso povo».

Isto é, em si mesmo, um facto a valorizar, pois foi possível, «com a luta e o voto dos portugueses, conter uma ofensiva contra as suas condições de vida e de trabalho e impedir o seu prolongamento e ampliação». Eram estes os planos de PSD e CDS, com o apoio e incentivo da União Europeia e dos «grandes interesses económicos nacionais e transnacionais».

Vencer constrangimentos

O PCP, garantiu o Secretário-geral, muito embora valorize os avanços concretizados e os passos dados na resposta a problemas e aspirações mais imediatos dos trabalhadores e do povo, não se ilude: os muitos e graves problemas com que o País se confronta decorrem dos «constrangimentos a que o País está sujeito e da opção política de um governo que a eles continua amarrado; de um governo que resiste a libertar-se das imposições europeias, do euro, do domínio do capital monopolista e de outros constrangimentos».

Esta realidade, acrescentou, tem forte impacto no crescimento da economia e na capacidade de resposta dos serviços públicos. Também o crescimento económico, tendo sido positivo, mantém-se muito aquém dos «ritmos elevados» necessários para a criação de emprego e a melhoria das condições de vida da generalidade da população.

Para Jerónimo de Sousa, independentemente do que for o OE para 2017, é cada vez mais evidente a necessidade de uma «ruptura com a política de direita que abra caminho a uma política alternativa, patriótica e de esquerda». Esta constatação decorre, antes de mais, do estreitamento do caminho imposto pela submissão aos grupos monopolistas, à União Europeia e ao euro, destacou.

Debate vivo

Durante o debate, foi valorizado o papel do Partido na derrota do governo PSD/CDS e na criação de possibilidades para repor, defender e conquistar direitos e rendimentos. A reconquista do horário de 35 horas na Administração Pública e a necessidade de o estender a todos os trabalhadores foi particularmente referida, assim como se valorizou o aumento real das pensões e reformas como instrumento de justiça social e aumento do poder de compra dessa numerosa – e particularmente massacrada – camada social.

Destacou-se ainda a importância do aumento dos salários, e em particular do Salário Mínimo Nacional, como forma de dinamização do mercado interno. A unidade de comunistas e católicos e a intervenção do PCP no âmbito da cultura e património foram outras questões em realce.

Política alternativa

A política alternativa que o PCP defende é, para Jerónimo de Sousa, «não só necessária como possível, porque, dando resposta coerente e integral aos problemas nacionais e assegurando as condições para o desenvolvimento do País, corresponde aos interesses da esmagadora maioria do povo português». O dirigente comunista adiantou os seus oito aspectos prioritários:

libertação do País da submissão ao euro e das imposições e constrangimentos da União Europeia;

renegociação da dívida pública, nos seus prazos, juros e montantes, que garanta um serviço da dívida compatível com as necessidades de investimento público, desenvolvimento e criação de emprego;

valorização do trabalho e dos trabalhadores, assente no aumento dos salários, no pleno emprego, na defesa do trabalho com direitos, no combate ao desemprego e à precariedade e em maiores reformas e pensões;

defesa e promoção da produção nacional e dos sectores produtivos, com o desenvolvimento de uma política em defesa da indústria transformadora e extractiva, da agricultura e das pescas, que coloque os recursos nacionais ao serviço do povo e do País e reduza os défices estruturais;

garantia do controlo público da banca, recuperação para o sector público dos sectores básicos estratégicos da economia, afirmando um Sector Empresarial do Estado forte e dinâmico, apoio às micro, pequenas e médias empresas e ao sector cooperativo;

uma administração e serviços públicos ao serviço do povo e do País, na saúde, educação e Segurança Social;

uma política de justiça fiscal que alivie a carga fiscal sobre os rendimentos dos trabalhadores e do povo e rompa com o escandaloso favorecimento do grande capital;

defesa do regime democrático e do cumprimento da Constituição da República Portuguesa, expressa no aprofundamento dos direitos, liberdades e garantias, no combate à corrupção e na concretização de uma justiça independente e acessível a todos.