goroskop sovmestimosti po shestopalovu sovmestimost' goroskopov po znakam zodiaka po date rozhdenija goroskop ryb na segodnja zavtra nedelja mesjats goroskop na 2017 skorpion god petuha adres
Menu
Início
Posições Políticas
Pesquisar
Multimédia
Contacta-nos
Avante!
O Militante
pcp-logotipo.jpg
Newsletter
Assinar Newsletter:


Receber em HTML?

Últimas

 

COIMBRA - NOTA SOBRE O PROJECTO "VIA CENTRAL" criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
15-Jul-2016

logo_cdu.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A CDU considera que existe uma cicatriz na Baixa para a qual tem que haver resposta. As populações estão privadas daquele espaço há demasiados anos! Por princípio a CDU não é contra a abertura de um canal entre a Avenida Fernão de Magalhães e a Rua da Sofia, no entanto, considera que a via deve ser exclusivamente para transporte público em via dedicada, admitindo trânsito apenas para residentes e cargas e descargas. Para a CDU a via central não pode significar mais uma via de trânsito a passar pela baixa. E não pode significar abrir mais uma frente de especulação imobiliária contrária aos interesses dos habitantes e utilizadores da baixa.

SOBRE A PROPOSTA DE REFERENDO

A CDU não é contra a utilização do referendo como forma de consulta às populações. Seremos sempre a favor de processos que promovam a participação na vida e nas decisões dos órgãos autárquicos.

Consideramos, no entanto, que um referendo ou outro processo de participação popular sério, para cumprir o seu objectivo, desde logo para assegurar que é de facto democrático e promove a participação, tem que se garantir que a pergunta formulada se entende - A pergunta tem que ser clara! O que claramente não acontece com a pergunta proposta pelo CpC!

A abertura da via central só deverá fazer-se para a passagem, em via dedicada, de um eléctrico ligeiro de superfície e com um programa de requalificação urbana, adaptando os edifícios da Rua da Sofia a esse fim?”

Não se entende o que quer o CpC referendar, nem se entende qual a sua posição sobre a Via Central.

Talvez por isso o CpC não divulga a pergunta, nem na petição que está a promover!
 
Como não se entende a pergunta questionamos o que quer o CpC com este referendo:

- Esconderem o seu compromisso com um projecto que destruiu uma linha ferroviária centenária, que esventrou a baixa e que se prepara para ser um instrumento na privatização de uma fatia dos transportes urbanos de Coimbra, colocando em causa os SMTUC? Comprometimento que é partilhado com a maioria PS, com PSD e CDS?

- Será que o que está em causa, não é o problema em si mas a instrumentalização da discussão da realização do referendo em função de objectivos de promoção e de protagonismo mediático e esconder que partem da mesma posição da maioria PS e até do PSD?

Desde logo a abordagem do CpC enferma do mesmo mal que a abordagem da maioria PS. Olha para a árvore (Via Central) e não olha para a floresta (a Baixa). Deveríamos estar a olhar para a Baixa e ver formas de melhorar o transporte público, melhorar a circulação, pôr mais gente/famílias a viver na Baixa, formas de levar mais cultura à Baixa e melhorar os espaços de lazer, melhorar as condições para o pequeno comércio.

Abordagem da maioria PS, partilhada (pelos vistos) pelo CpC, é olhar separadamente para cada um dos projectos da baixa sem os integrar. Talvez por isso tenha havido convergência CpC e PS na viabilização de uma nova superfície comercial de média dimensão do outro lado do rio.

Esta abordagem, de olhar caso a caso, impede que estejamos a fazer a discussão que importa. O que fazer com o que está à volta da via central? Para que vai servir aquele espaço onde hoje se encontra um buraco? Será que é possível haver habitação social, residências para estudantes ou haverá mais espaço para grandes superfícies comerciais e especulação imobiliária?

 

Ler mais...
 
22 JULHO - 70 ANOS DO IV CONGRESSO DO PCP - LOUSÃ criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
15-Jul-2016

20160720_jantar_iv_congresso_com_jeronimo.jpgHá setenta anos, em Julho de 1946, realizou-se na Lousã o IV Congresso do PCP. Após o fim da II Guerra Mundial. O PCP definiu o caminho para o derrubamento do fascismo, os seus princípios orgânicos, a sua natureza e a sua identidade.

A Comissão Concelhia da Lousã vai assinalar o aniversário numa iniciativa com a participação de Jerónimo de Sousa, dia 22 de Julho, sexta-feira.

Ler mais...
 
COMUNICADO - AOS TRABALHADORES DA DANCAKE criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
14-Jul-2016

20160600_comunicado_dancake.jpg

Os trabalhadores tem manifestado o seu descontentamento sobre um conjunto de atitudes e procedimentos da empresa que aqui denunciamos.

Férias
A empresa usa e abusa do recurso á alteração das férias, depois de afixadas, atitude que se repete ano após ano, como forma de suprir a sua falta de planificação do trabalho.
Muitas das vezes esta alteração é posta aos trabalhadores quando já tem a vida familiar orientada e por vezes compromissos assumidos.
Este ano repetiu-se a situação , tendo mesmo a empresa comunicado que não poderia haver férias entre Julho e Setembro.
A indignação dos trabalhadores levou a empresa a permitir que alguns tivessem férias neste período.
A lei diz que as férias, em caso de falta de acordo, devem ser marcadas pela entidade patronal entre 1 Maio e 31 Outubro e que deve estar afixado em local visível a todos os trabalhadores entre 15 de Abril e 31 Outubro.
A alteração das férias, após a afixação do mapa, terá de ter o acordo do trabalhador e a empresa terá que fundamentar o motivo porque altera as férias.
A empresa terá que planificar o trabalho de forma a cumprir com as férias afixadas no mapa e a respeitar a organização da vida pessoal, social e familiar dos trabalhadores.

É prática da empresa aplicar ilegalmente o banco de horas.
Toda e qualquer hora extraordinária deve ser paga conforme a lei e a contratação colectiva.
Aos Trabalhadores da
Dancake Mesmo que seja em tempo a gozar deve ter em conta esta proporcionalidade e não o que empresa faz que atribui a hora a singelo indiscriminadamente e coloca em banco de horas todas as inferiores a 4.

A Empresa aplica ilegalmente a polivalência
Desta forma não cumpre a contratação colectiva em vigor no que respeita ás carreiras profissionais e conteúdos funcionais de cada profissão.
Tal atitude será prejudicial também para a empresa pois dificulta o grau de especialização dos trabalhadores, da qualidade de serviço e da produção.

Trabalho Temporário
A empresa utiliza como expediente, através de empresa de trabalho temporário, a contratação de trabalhadores com contrato sem termo, que na sua maioria trabalham um mês, vão para casa e no mês seguinte voltam a ser chamados sempre com o argumento do aumento excepcional da produção da empresa.
Muitas das vezes estes trabalhadores são substituídos de forma rotativa e entrando com a categoria de aprendizes executam tarefas de operários especializados.
Desta forma a empresa foge á contratação com vinculo permanente.

Ler mais...
 
Célula do PCP TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
14-Jul-2016
É URGENTE O PREENCHIMENTO

DO QUADRO DE PESSOAL
As políticas de restrição de contratação, seguidas pelos sucessivos governos PS, PSD e CDS, têm vindo a diminuir o número de trabalhadores na Câmara Municipal de Coimbra. Ao longo dos anos não foram compensadas as saídas por reforma e por outros motivos, o que afecta em particular os sectores operários - Higiene, Jardins, SMTUC - entre outros.

Com o não preenchimento do quadro de pessoal, os serviços perderam capacidade de responder aos problemas colocados. Ao longo dos anos isto serviu de pretexto para passar serviços para privados, prejudicando a qualidade do serviço e incentivando a precariedade e os baixos salários.

Com a derrota do Governo PSD/CDS e com a nova correlação de forças na Assembleia da República foram aprovadas, com a contribuição decisiva do PCP, medidas de eliminação de restrições à contratação na Administração Local. É urgente que se reforce significativamente o quadro de pessoal. Só assim se garante a qualidade do serviço público municipal. Cabe agora aos trabalhadores exigirem o cumprimento do que foi aprovado. Para isso podem contar com o PCP!

COMBATER A PRECARIEDADE
A Câmara Municipal continua a recorrer a formas de trabalho precário como os Contratos de Emprego e Inserção (CEI) ex-POC’s - Em particular nos Jardins de Infância. O PCP defende que a uma necessidade permanente de mão de obra deve corresponder um contrato com vínculo efectivo. A falta de estabilidade prejudica os trabalhadores e o funcionamento dos serviços.

MELHORAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO
Os problemas são muitos. No Serviço de Higiene faltam equipamentos de protecção individual e condições sanitárias nos vestiários. Vários serviços funcionam em edifícios degradados, em alguns casos chove nos locais de trabalho, situação que poderia ser resolvida visto que a Câmara adquiriu edifícios com melhores condições e que não estão a ser utilizados.

Ler mais...
 
COIMBRA - Câmara Municipal reincide na retirada de propaganda do PCP criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
14-Jul-2016

20160500_cartaz_mupi_campanha_basta_submissao.jpg

Pela segunda vez, a Câmara Municipal de Coimbra manda retirar propaganda política do PCP. Tal como em 2015, quando uma situação semelhante aconteceu, trata-se de uma decisão ilegal, que objectivamente condiciona o direito à Propaganda Política, que é um direito consagrado e garantido pela Constituição da República Portuguesa e não abrangido por qualquer regulamento municipal.

O PCP apresentou, no ano passado, uma queixa contra desconhecidos por roubo e destruição de propaganda política na Cidade de Coimbra, e veio a apurar que as estruturas estavam no Serviço de Higiene e Limpeza da Câmara Municipal de Coimbra no Algar.

Apesar de a Câmara ter reconhecido, em 2015, que retirou propaganda indevidamente - tanto que foram os serviços a recolocá-las nos seus locais - as estruturas foram, mais uma vez, retiradas pelos serviços, sem qualquer aviso prévio. Num contacto feito pelo PCP os serviços alegam que “Sendo certo que a propaganda política não está sujeita a licenciamento municipal, a mesma deve obedecer às regras definidas para esse ato administrativo, determinadas pelo Regulamento Municipal de Ocupação do Espaço Público e Publicidade, em vigor para o Município de Coimbra e publicitado pelo Edital n.º 100/2012”. O PCP relembra que um órgão autárquico que está vinculado ao cumprimento de direitos constitucionais, nomeadamente ao não impedimento de acções de propaganda devendo abster-se de interferir no exercício da propaganda política, sob pena de condicionar um direito fundamental.


Ler mais...
 
<< Início < Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 | Seguinte > Final >>

Resultados 55 - 63 de 496


Destaque
20170127_jantar_regional_do_pcp_com_jernimo.png20160910_universidade_fundao.jpg20171117_sesso_pblica_jernimo_coimbra_web.jpg20161110_revoluo_de_outubro.jpg20161028_sesso_pblica_jernimo_de_sousa_figueira_da_foz.jpg20161027_mobiidade_e_transportes.jpg20160923_visita_miguel_viegas_incndios_soure_web.jpg20160921_debate_dvida_euro_e_banca_vasco_cardoso_web.jpg20160902_festa_avante_cartaz.jpg20160720_jantar_iv_congresso_com_jeronimo.jpg20160819_jantar_condeixa_a_nova_jernimo_web.jpg20160720_sesso_pblica_defender_a_baixa.jpg20160500_cartaz_mupi_campanha_basta_submissao.jpg20160517_comcio_mais_direitos_mais_futuro.jpg20160509_reverso_da_fuso_dos_hospitais.jpg20160300_ramal_da_lousa.jpg
20160129_jantar_regional_com_jernimo_de_sousaweb.jpg20160200_solues_para_o_pas.jpg20151127_jantar_jernimo_figueira_da_foz_web.jpg20160200_mupi_luta_e_confiana.jpg201502_solucoes_pais_pcp_cartaz_mupi.jpg20150228_no_ao_declinio_nacional_solues_para_o_pas.jpg



   
20141100_mupi_pcp_ha_alternativa.jpg20140900_cartaz_mupi_forca_do_povo.jpg     20140600_mupifora_do_povo_pcp.jpg20140624_centenario_joaquim_namorado._cartaz.jpg    

Joomla é um software livre sob a licença GNU/GPL.