joomla templates top joomla templates template joomla

20160407 precariedade rovisco pais 1
O processo de integração dos trabalhadores com vínculos precários na Administração Pública é de elementar justiça para os trabalhadores e é determinante para assegurar a qualidade dos serviços públicos. Aliás, é urgente a regularização do vínculo de todos os trabalhadores que se encontram em situação de precariedade e a contratação de todos os trabalhadores que fazem falta aos serviços, até porque não existem trabalhadores a mais nos serviços públicos – bem pelo contrário.

O PCP teve conhecimento que os trabalhadores com vínculo precário do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais decidiram avançar para a greve nos dias 10 e 11 de julho para exigir a imediata abertura dos procedimentos concursais com vista à integração dos trabalhadores. Estes trabalhadores denunciam, em comunicado, a “vergonhosa situação de contratação precária a que este hospital recorre há mais de 15 anos” e que, aparentemente, tudo indicia que se irá manter.

Referem os trabalhadores que o CMRRC – Rovisco Pais é “o único hospital público no país que não deu seguimento à regularização das situações de precariedade dos trabalhadores que cumprem necessidades permanentes e lhes foi reconhecido o vínculo através da homologação por parte da CAB da saúde”. De acordo com o relatado, no Centro Hospitalar do Oeste, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa, Hospital Dr. Francisco Zagalo - Ovar, Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto, entre outros, já terá sido realizada a abertura de concursos, o que não aconteceu ainda no hospital em causa.

Afirmam os trabalhadores que “após uma reunião realizada com o Conselho de Administração do CMRRC – Rovisco Pais, foi-nos informado pelo Presidente desta Instituição que os concursos ainda não foram abertos por estarem dependentes da autorização do Ministério das Finanças”. No entanto, haverá também informações que indicam que o concurso está pendente pelo facto de o Conselho de Administração não dar seguimento à abertura dos concursos, que se encontrarão pendentes por falta da sua assinatura.

Trata-se da vida de 80 trabalhadores. Nas suas palavras, “para alguns, são 15 anos de trabalho sem vínculo à Instituição, e instabilidade, 15 anos sem direito a férias (para vários trabalhadores, nem sequer lhes permitem tirar dias à sua conta), sem subsídios, sem direito a ausentar-se para formações ou por motivo de doença. Somos profissionais especializados que trabalham numa área exigente e específica, como é a realidade deste Hospital, que se preocupam com o bemestar dos utentes, bem como pela qualidade dos serviços prestados”.

O PCP considera que a valorização do trabalho e o reforço dos direitos dos trabalhadores, com um sério combate à precariedade, são condições  indispensáveis para a qualidade dos serviços públicos e para um rumo de progresso e de justiça social. O PCP defende também que os trabalhadores do CMRRC – Rovisco Pais não podem ficar condenados à indefinição do seu futuro, devendo a regularização dos seus vínculos ser realizada sem demoras.

O PCP remeteu ao Governo, por intermédio do Ministério da Saúde, o pedido de resposta às seguintes questões:
Quantos requerimentos do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais foram já avaliados pela CAB da Saúde?
Por que razão não foram ainda abertos os procedimentos concursais para regularização dos vínculos precários no CMRRC – Rovisco Pais?
Quando serão abertos estes mesmos concursos?

20180305 97 aniversário do PCP

 

20180100 mupi obra hidroagrícola do mondego

 

20180100 Breve Curso da História do Capitalismo

 

20180203 jantar regional com jerónimo de sousa

 

20170210_ramal_da_lous_cumpra-se_o_aprovado.png

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_1.jpg

20170100_mupi_mais_direitos_mais_futuro_nao_precariedade_2.jpg

20160910_universidade_fundao.jpg